Do coração de Deus ao coração do homem por meio da pregação da palavra.

Pregador é a pessoa chamada por Deus, direta ou indiretamente, para anunciar e testemunhar o Evangelho, na modalidade de primeiro anúncio.

É o arauto de Jesus, é o embaixador de Deus, é aquela pessoa especialmente escolhida para falar em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. A partir dessa eleição, um pregador buscar configurar sua vida à vida de Cristo, deixando que ele, Nosso Senhor, seja por meio do Espirito Santo o maior motivo de sua pregação.

O pregador é uma pessoa de fé e de oração; batizada no espírito (cf. At 9, 17); conduzida pelo Espírito (cf. At 16, 6-10); paciente e perseverante diante das perseguições (cf. At 5, 41); que testemunha a ressurreição de Jesus; que é membro do Corpo Místico de Cristo; que está inserida na realidade de seu povo, que é responsável, íntima de Deus, de coração simples; é pessoa , a visão do plano de Deus (Ef 3, 17-19; Gal 1, 15-16), o zelo pelo Evangelho. O pregador leva as pessoas a Jesus, busca o dom da fé, ama e perdoa as traições e perseguições dos irmãos, aceita e pratica os dons carismáticos, prega com o poder no espírito, vive o que prega, fala a verdade, busca a formação.

Como profeta que anuncia a Boa Noticia do reino do Pai, mas também que denuncia as más notícias que afligem os filhos de Deus, o pregador não se aliena com a realidade que o cerca, mas vive engajado no meio social em que está. Com sabedoria e equilíbrio, pauta seu viver pela palavra de Deus, testemunhando Jesus em todos os lugares.

O pregador deve estar inserido da realidade de sua assembleia: prostituição, pobreza, desemprego, corrupção, falta de esperança. Para que sua pregação console, edifique e exorte de uma maneira mais eficaz.

O Pregador é intimo de Deus

É impossível amar alguém sem conhecê-lo. É necessário que haja uma proximidade muito grande que faça nascer a intimidade que vai proporcionar o conhecimento, a confiança, fortalecendo, assim a amizade. Assim é também com Deus, precisamos ter intimidade com ele e isto não acontecerá sem não sentarmos aos Seus pés, senão ficarmos com Ele, se não nos relacionarmos com Ele. Para podermos fazer a vontade do Senhor, como pregadores, precisamos ter vida de oração. Somente ficando com Ele, poderemos amá-Lo, escutá-Lo, conhecê-Lo e assumir como nosso os seus planos de amor.

Corremos o risco de fazer igual a Samuel (I Samuel 3, 1-10), servir ao Senhor sem escutá-Lo, sem saber qual é a sua vontade. Samuel já servia ao Senhor, mas não O conhecia de fato. Faz-se necessário ser intimo do Senhor para que sua vontade seja realizada em plenitude.

Por fim irmãos, um pregador deve ser Mariano do fundo do coração devotíssimo, formado, forjado, moldado no Imaculado Coração da Virgem Mãe de Deus, convivência com ela a Virgem Maria vira a maior das virtudes de um pregador a Humildade.

Ah!… A velha, boa, necessária e difícil humildade! Como precisamos dela!!! E como ela parece querer fugir de nós pregadores! Precisamos dela para reconhecer com o velho e sábio Eclesiastes: “Vaidade das vaidades, (…), vaidade das vaidades! Tudo é vaidade. (Ecl 1,2).” De que vale conquistar espaços, honrarias, fama, dinheiro? Tudo é vaidade, poeira diante da marcha inexorável do tempo. Nada mais que vaidade. Alegremo-nos pelos nossos nomes estarem “escritos nos céus (Lc 10,20)”. Se temos algum direito à recompensa, que seja esta: “os céus”. Afinal, se ouvirmos bem, escutaremos: “Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força (2Cor 12,9)”.

Precisamos da humildade para nos debruçar sobre as mesas de estudo a fim de esquadrinharmos os livros espirituais e a Sagrada Escritura. Ela também será a companheira inseparável daqueles que se apresentam nos encontros de formação. É igualmente ela que nos incentiva a nos ajoelharmos meia hora, uma hora, duas horas ou mais, diariamente, em oração pessoal, aos pés do Mestre, Senhor, Messias e nosso Deus. Sim, irmãos, sem humildade, até mesmo a fé e o amor, dons magníficos para quem deseja adorar o Pai, o Filho e o Espírito Santo, pouco nos ajudarão na prática da regra de vida mais elementar para os pregadores, que é a oração pessoal diária. Aliás, sem humildade o amor fica inseguro e a fé incerta.

Se para todos os cristãos a humildade é uma regra de vida, para os cristãos pregadores ela é, além disso, uma exigência que se impõe pela própria natureza do nosso ministério. A humildade do pregador deve ser qualificada. Deve ser sempre buscada e jamais pode ser tida por conquistada, sob pena de esvair-se mais depressa do que pensamentos pueris. Seu modelo é o da videira. Melhor: do ramo da videira. O ramo da videira sabe que por melhor que sejam seus frutos será sempre podado. Por isso sempre está preparado para a poda. Mesmo assim não deixa de produzir o melhor que pode, apesar da poda iminente. Sua missão é produzir o melhor. Ele sabe que só terá uma chance para produzir um bom fruto, e o faz da melhor forma possível. Em seguida vem a poda.

Gosto de pensar na humildade do pregador como uma espécie de “espiritualidade” reserva. O bom pregador é aquele que jamais aspira a ser o “bom”, a ser o artilheiro do time, a ser o dono da posição. Sua missão é estar continuamente à disposição da equipe. Se for acionado, assumirá a posição e fará o melhor que puder, sem ambição de vir a ser o titular. Com tal “espiritualidade” não sofreríamos ante os reveses da “carreira” de pregador.

Avante irmãos em busca daqueles que tem sede da palavra de Deus a ser anunciada por você em todos os cantos da terra

Abraços
Alexandre Silva
Com. Católica Missão Aliança.

FONTES: PORTALCARISMATICO.COM
SITE:RCCBRASIL.COM.BR